Preço ou valor: o que prevalece na gestão de fretes da empresa?

Seja por questões estratégicas, seja por sobrevivência, as organizações buscam reduzir os seus custos em todos os setores e processos. Nas operações logísticas, o tema é tratado com prioridade, tendo em vista o número de atividades envolvidas e quanto representam na composição dos custos totais, desde a aquisição de insumos até o transporte de materiais.

Em relação à gestão de fretes, existem decisões que são determinantes para os resultados financeiros da empresa, mas que, em contrapartida, refletem nas variáveis de qualidade e atendimento. É importante estar ciente de que qualquer mudança na operação de transporte impactará o nível de serviço entregue ao cliente. Este é o motivo central pelo qual o gestor deve avaliar com cuidado as suas ações e medir, antecipadamente, os impactos gerados com determinada decisão.

Uma medida comum aos embarcadores quando entendem que os seus custos estão altos é a revisão dos contratos de transporte. Em muitos casos, o primeiro passo é substituir o transportador atual por uma oferta mais atrativa, ou seja, uma ação reativa para combater a conta de frete elevada.

O fato é que os conceitos de preço e valor não podem ser confundidos. Enquanto o preço determina o quanto você paga pelo bem ou serviço, o valor é aquilo que a empresa entrega como compromisso com o sucesso do cliente. Na prática, a contratação ou a substituição de um transportador não pode ser pautada apenas no fator preço, mas no conjunto de benefícios oferecidos pelo serviço.

banner_600x200_V3_1-300x100 Preço ou valor: o que prevalece na gestão de fretes da empresa?

 

Quando se contrata pelo preço (e não pelo valor) um transportador que irá lhe representar perante os seus clientes, o risco assumido é muito alto e pode custar caro para a sua empresa. O que se espera do transportador, enquanto extensão da sua empresa, é a plena satisfação do cliente final, concluindo o ciclo de venda e indicando as expectativas para o próximo atendimento. Quando a experiência do consumidor em relação à entrega não é positiva, além de eventuais transtornos e prejuízos, a decisão de uma nova compra pode ser comprometida.

Os critérios de seleção na contratação do transporte devem exceder as propostas de frete reduzido. Quando o embarcador confia a sua carga ao transportador, precisa encontrar, a partir daí, a “solução para os seus problemas”. Em resumo, uma transportadora entrega valor quando:

  • Oferece estrutura adequada e frota em plenas condições de operação;
  • Tem uma equipe qualificada e um suporte proativo em situações críticas;
  • Apresenta processos definidos e um fluxo de informações eficiente;
  • Opera com seguro de carga e demais exigências legais;
  • Cumpre prazos e acordos de nível de serviço;
  • Negocia tarifas e flexibiliza a sua operação em prol do atendimento.

Estes elementos reforçam a relação entre empresas e ampliam as oportunidades de negócio. Naturalmente, devido à dinâmica das operações logísticas, não é possível assegurar um processo linear na distribuição e no transporte nem garantir que tudo ocorrerá sem imprevistos. No entanto, o transportador que pratica preços muito baixos dificilmente está preocupado com fatores como estes, mesmo porque não conseguirá atendê-los.

O momento é propício para o embarcador avaliar com critério as ofertas do mercado e analisar os impactos de preço e valor nas suas decisões. De que forma são conduzidas as negociações de frete na sua empresa?

Por Claudionei de Andrade, idealizador do blog Logística na Prática

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *