Gestão de transporte: tudo que o embarcador precisa saber

A gestão de transporte é um dos principais pontos estratégicos da logística. Desde o processo de produção até o momento do transporte da carga, as empresas realizam uma série de operações. Cada uma delas tem papel fundamental no desempenho da organização no mercado e está relacionada com a qualidade do serviço entregue ao consumidor. Ao unir todas essas funções e, consequentemente, potencializar a qualidade do trabalho desenvolvido, podemos dizer que o embarcador cumpriu com a sua função: tornar a empresa competitiva.

A prática da gestão de transporte implica decisões sobre como movimentar produtos acabados entre diferentes pontos. E, por trás de toda rota, existe um planejamento e despesas a serem quitadas, como o frete, por exemplo. Por isso, não é suficiente apenas se preocupar com o deslocamento eficaz das mercadorias, mas também com o cumprimento de prazos, a transparência dos custos e o desenvolvimento de um bom relacionamento entre fornecedores e clientes. Ou seja, o serviço de transportes é um dos mais complexos dentro da cadeia logística.

Então, mesmo que a integração dos setores seja de extrema importância para que a empresa consiga otimizar suas atividades, é preciso entender que o transporte sempre será uma função importante no processo, pois é por meio dele que o objetivo logístico é atingido: o produto, com qualidade, chegar na hora certa e no local certo, com o menor custo possível.

Já para as empresas transportadoras, atingir o nível exigido pelos embarcadores ainda é um desafio, pois existem alguns fatores que impactam na decisão de contratação e na satisfação em relação aos serviços de transporte. Confira a seguir tudo que você precisa saber para realizar uma gestão de transporte eficiente:

 

Leia também: Conheça 5 benefícios da gestão de frete para o seu negócio

 

Gerenciamento das operações

O sucesso na entrega dos produtos aos comerciantes ou consumidores depende diretamente da atuação do embarcador. Para realizar um bom gerenciamento de transportes, ele precisa ter estruturado um planejamento estratégico de controle do fluxo de materiais, dos estoques em processo, dos produtos acabados e, ainda, definir qual a melhor forma para o escoamento das mercadorias. Ou seja, o processo é bem mais complexo do que apenas contratar uma boa transportadora. Até porque a logística ideal pode ser mais complexa do que, simplesmente, escolher uma transportadora. Eventualmente, a empresa encontra a melhor opção logística utilizando mais modais e dividindo o transporte em mais trechos.

O embarcador precisa estar por dentro de tudo que acontece durante o deslocamento dos produtos, efetuando a gestão de transportes, a análise de malhas, rotas e transportadoras, assim como a gestão de prazos e entregas. Com o TMS Embarcador transpoFrete, é possível fazer tudo isso e assegurar a eficiência de todos esses processos.

 

Os custos para a logística

O transporte de produtos é uma das etapas da logística que exige mais investimentos e gera despesas significativas para a empresa. A pesquisa Custos Logísticos de 2015, realizada pela Fundação Dom Cabral, divulgou que os custos com transportes no Brasil representam 11,73% das receitas das empresas, o que já afeta o consumos das famílias brasileiras. Por isso, neste momento, é importante estar ciente das condições financeiras da organização para, assim, apostar nas melhores soluções e recursos de gestão.

Para reduzir os valores investidos em ativos fixos, ou seja, no transporte de cargas, é preciso classificar os tipos de cargas transportadas e fazer o cálculo de melhores rotas de acordo com a localização geográfica, tipo e volume de mercadorias a ser transportada.

Além das rotas, é preciso analisar de uma forma mais dinâmica quais alternativas a empresa possui para reduzir o volume de cargas fracionadas, maximizando o potencial de utilização de veículos fechados. A complexidade de realização desta tarefa é muito grande, pois envolve a capacidade de visualizar a possibilidade de junção de entregas de regiões próximas, avaliando a taxa de ocupação dos veículos e a tendência de demanda sazonal ou recorrente e fazendo a comparação de todos os custos envolvidos na formação de viagens fechadas e das cargas fracionadas.

Ou seja, o leque de alternativas para a redução dos custos logísticos é grande, mas o desafio de implementá-las também. As estratégias de melhoria logística tornam-se viáveis quando a empresa está amparada por tecnologia em sistemas especialistas, como no caso do transpoFrete. Somente assim é possível compilar de uma forma ágil todas as informações sobre suas rotas, permitindo simular e analisar novas alternativas logísticas.

 

Leia também: O que é preciso para ser um bom profissional de logística?

 

Riscos: o transporte pode comprometer a qualidade da logística

Para que todo o trabalho exercido até o momento do escoamento da produção tenha continuidade, é preciso operar de forma eficaz no transporte das mercadorias. A gestão nessa área deve acontecer de maneira eficiente e estratégica, pois de nada adianta você ter uma mercadoria de qualidade em mãos sem que ela chegue no prazo certo ao consumidor.

Ao utilizar o TMS como solução para o seu negócio, você pode acompanhar o índice de tipos de ocorrências que entram no sistema; o índice de cobranças suspeitas; a eficiência geral de entrega e a eficiência das cotações de fretes; a incidência de fretes com o custo acima do orçamento para a região; as entregas em atrasos, além de índices operacionais que apontam notas fiscais sem devidos CTes vinculados, notas fiscais com entrega em atraso, problemas de processamento de arquivos de integrações, entre outros.

 

Gilson Chequeto
CEO e Diretor Comercial da transpoBrasil

 

Guia-Definitivo1 Gestão de transporte: tudo que o embarcador precisa saber

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *