A arte de gerir pessoas nas operações logísticas

O ambiente logístico das empresas é composto por uma série de elementos que, em conjunto, são essenciais para alcançar os resultados planejados: a implementação e o gerenciamento de processos, equipamentos de movimentação, veículos de transporte, estrutura de estoque e armazenagem, tecnologia, entre outros fatores decisivos.

Assim como os processos organizacionais, recursos físicos e sistemas, a relação interpessoal pode determinar o sucesso ou o fracasso da operação. Afinal, são as pessoas que desempenham, lideram e administram o conjunto de atividades que norteiam a logística.

Neste artigo, procurei descrever alguns pontos da interação humana que considero determinantes nas operações logísticas. O objetivo é evidenciar o papel fundamental desempenhado pelos profissionais e a sua estreita relação com a companhia e o mercado.

 

Gestão de pessoas na logísticabanner-400x400_V3_3-300x300 A arte de gerir pessoas nas operações logísticas

Naturalmente, a arte de gerir pessoas é comum a todos os setores e empresas. Individualmente, cada um de nós tem seus objetivos, metas e anseios. Ao líder cabe a missão de administrar estes interesses e promover a busca pelos mesmos propósitos. Mais do que isso, é necessário criar um ambiente propício para que as pessoas possam render mais e melhor, potencializando os resultados.

Na logística, a liderança é uma das principais características do gestor. Dentre as variadas funções – auxiliares, assistentes, analistas, operadores, estoquistas, conferentes, motoristas etc. –, é comum o ambiente logístico ser formado por profissionais de faixas etárias distintas, o que por si só já representa um grande desafio dado o conflito de gerações.

Do mesmo modo, são diferentes níveis de formação, escolaridade, cultura e, como já citado, cada qual com as suas aspirações. Saber lidar com cada um destes grupos e fazer despertar o espírito de equipe é mais uma tarefa desafiadora para o gestor.

A logística não se limita apenas à gestão de pessoas. Mas sem gerir pessoas, não se constrói uma operação logística eficaz.banner-400x400_V3_3-300x300 A arte de gerir pessoas nas operações logísticas

 

O papel do gestor como líder

Empresas são movidas por pessoas, e a liderança é quem determina o sucesso desta relação. Uma equipe preparada e motivada pode fazer a diferença nos momentos mais críticos.

Para assegurar um time comprometido, é fundamental que:

  1. A empresa tenha seus princípios – missão, visão e valores – muito bem definidos. Este é o primeiro passo para que as pessoas se identifiquem e atuem alinhadas aos mesmos objetivos;
  2. Os funcionários enxerguem no líder uma inspiração, um modelo a ser seguido;
  3. O líder tenha a capacidade de mobilizar e engajar a sua equipe em torno do mesmo propósito;
  4. O gestor tenha uma visão macro da empresa e dos seus processos para dimensionar os impactos das suas decisões;
  5. O líder aprimore as suas técnicas e habilidades de negociação, pois ele está envolvido o tempo todo em demandas que exigem acordo de valores, datas e prazos;
  6. A equipe seja ouvida, orientada e gratificada sempre que possível.

De nada adianta entregar as melhores ferramentas à equipe, se ela não é a orientada a como usá-las.

A questão comportamental e de relacionamento também é importante. A logística é o meio da empresa, então, precisa estar muito bem relacionada com toda a cadeia, transitando desde a base até o alto escalão.

 

Capacitação constante

Em relação ao reconhecimento (recompensa) ao grupo, o investimento em educação e treinamentos especializados é uma ótima oportunidade, pois representa ganhos para ambos os lados. Palestras, fóruns e treinamentos são fundamentais para entender as particularidades e as dificuldades e promover a troca de experiências.

Na logística, os gestores têm formação específica em áreas técnicas, normalmente com pouca ênfase em relações humanas. É fundamental buscar desenvolver habilidades por meio de cursos de liderança e gestão de pessoas.

Os profissionais precisam se atualizar constantemente e transformar o conhecimento em ações concretas, que produzam melhores níveis de serviço a menores custos. É necessário fazer parte do resultado e da estratégia, aprimorando-se e entendendo o valor da cadeia e do mercado como um todo.

 

Por Claudionei de Andrade, idealizador do blog Logística na Prática

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *