IoT: o que a internet das coisas muda na logística

A Internet of Things (IoT) é conhecida por muitos como a maior revolução desde o advento da internet. Cada vez mais, vemos crescer o número de dispositivos conectados e sensores ligados à internet, gerando e trocando dados. Hoje, existem mais máquinas conectadas que celulares – são 2,1 bilhões de smartphones no mundo e as máquinas já chegam a 8,4 bilhões de exemplares. Segundo a Gartner, o número de “coisas” conectadas em 2020 deve ser de 25 bilhões, e nenhum setor do mercado está a par dessa inovação, nem mesmo a logística.

 

Leia também: TMS aplicado à Logística 4.0

 

As operações logísticas já não são mais as mesmas, afinal, muitas tarefas que antes levavam dias para serem realizadas, como as de controle e gestão, agora podem ser cumpridas em segundos. E, por isso, a IoT tem impactado o dia a dia dos profissionais da área. Além de aperfeiçoar o monitoramento em tempo real de processos e atividades, ela torna mais simples o gerenciamento de processos e o rastreamento de mercadorias e melhora a detecção de falhas.

De acordo com dados divulgados pela Frost & Sullivan no estudo “O Mercado industrial brasileiro de Internet das Coisas, Cenário para 2021”, o mercado de internet das coisas deve alcançar receitas de US$ 3,29 bilhões em 2021, cerca de R$ 10 bilhões. E a DHL e a Cisco relatam que a IoT, ao longo da próxima década, poderá impulsionar o setor de logística em US$ 1,9 trilhão (ou, aproximadamente, R$ 6 trilhões).

 

Logística 4.0: principais avanços e mudanças

Fala-se muito sobre a relação do Big Data com a IoT, certo? Pois é dentro desse contexto que surge o conceito de logística 4.0. Você já ouviu falar nesse termo?

Assim como a indústria 4.0 levou às fábricas à automatização das suas atividades, a logística 4.0 funciona para as empresas do setor como a principal maneira de otimizar a gestão da cadeia de suprimentos. Por meio da adoção de sensores e programas que conectam máquinas, pessoas e redes, são eliminados desperdícios e alguns gargalos são evitados. É possível ganhar tempo em atividades morosas e reduzir custos da melhor forma, por exemplo.


Assista també
m: Logística 4.0: tendências e insights


Tudo isso ocorre por meio de tecnologias e sistemas inteligentes, que tem a capacidade de reunir dados e funcionar de forma automática. A partir deles, grandes estoques e centros de distribuição que antes da IoT funcionavam de forma obsoleta e desconectada, agora são funcionais e disruptivos.

Como consequência, os problemas com erros humanos em atividades de controle e grandes desperdícios de tempo, acabam diminuindo, ou até mesmo desaparecendo. E os transportes e acondicionamentos podem ser gerenciados em tempo real e acontecer de forma integrada.

Confira, a seguir, quais são os principais avanços e mudanças provocados pelo IoT na logística:

 

1 Eficiência no monitoramento e rastreio de cargas

É possível monitorar o percurso dos caminhões e mercadorias em tempo real, além de determinar a melhor rota para o local em que se encontra a carga, controlando a velocidade do veículo e outros pontos relevantes para uma entrega rápida e segura.

 

2 Aumento no controle sobre a frota

Com a IoT surge a possibilidade de identificar rapidamente falhas nos equipamentos e manter todas os dados, documentações e revisões atualizadas por meio do agendamento das manutenções preventivas e periódicas de maneira automática.

 

3 Gestão de estoque simplificada

Algumas tecnologias como os coletores de dados RFID e os leitores de código de barras simplificam a gestão de estoque.  A instalação de sensores e leitores de RFID em pontes rolantes e empilhadeiras, por exemplo, permite a rastreabilidade automática para as movimentações dos produtos e equipamentos, focando a automação dos processos de recebimento.

 

4 Controle e gestão de processos e operações facilitado

Com os sistemas de gestão virtual de estoques e armazéns, como o Warehouse Management System (WMS), ou Sistema de Gerenciamento de Armazém, e o sistemas de gestão como o Transportation Management System (TMS), ou Sistema de Gestão de Transporte e Logística, é possível reduzir custos e otimizar os processos logísticos por meio de automação.

 

A alta conectividade na logística

Como vimos, a modernização de processos é uma das principais características da IoT e a logística recebe muito bem as suas inovações.

A brasileira Gerdau, por exemplo, já está inserida nesse contexto. A empresa usa RFID (identificação por radiofrequência) para gerir estoques e carregamento de caminhões. No setor do varejo, a Target, assim como a Zara, implantou o RFID em nas suas lojas. No Brasil, empresas como Arezzo, Billabong e Renner já testam a tecnologia de “etiquetas inteligentes”.

 

IoT: um desafio logístico

Assim como a IoT pode ser a solução para muitos problemas e gargalos logísticos, ela também é encarada por muitos como um desafio. Segundo o relatório ‘The Future of IoT in Enterprise – 2017’, que reuniu a visão de cem organizações globais de transporte e logística entrevistadas pela Inmarsat, 40% dos participantes enxergam os problemas de conectividade como um dos maiores desafios para as suas implantações de IoT.

Os principais pontos que dificultam os processos são habilidades em IoT (54%), integração com sistemas existentes (43%) e conectividade (40%). Porém, mesmo lutando para ter acesso a conectividade que precisam, 96% das empresas de transporte e logística acreditam que o sucesso de suas implantações de IoT se baseie em conexões onipresentes e confiáveis, seguindo, assim, as suas apostas na captura de valor para os seus negócios por meio da internet das coisas.

Deseja saber mais sobre os impactos de um novo mundo cada vez mais veloz devido ao avanço das tecnologias? Então confira o nosso e-book Logística em 2018: cenários, mercado e tendências e saiba tudo sobre o assunto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *